Rev. Jefferson M. Reinh

Neste dia internacional da mulher, vale refletir. Vivemos dias de extremismos nas opiniões, a grande mídia tem mostrado uma face de disseminação de ódio, disputas com e sem sentido, agressões gratuitas de todos os lados, e ainda um tempo de generalismos. Podemos apreender algo de positivo e realmente edificante em meio a esse turbilhão de vozes, gritos, bandeiras, marchas etc?

Vale refletir sobre não cair em neologismos e generalismos. Nossos dias são dias de “hashtags” (#, lembra?). Parece existir uma necessidade de se enquadrar em uma questão que limita tudo e todos debaixo de uma palavra, que obviamente não cumprirá esse objetivo, nem esgotará o tema. Mas a insistência de se abarcar tudo em relação à mulher com “sororidade”, “meu corpo minhas regras”, “não é não”, faz com que existam regiões de vazio, medos, inconformismos e dúvidas. Mulheres que caminham com mais profundidade, visão, buscando vidas sadias em meio a esse tempo, ficam à margem de rótulos. E para onde vão?

Bem, aqui entra algo lindíssimo. A Bíblia mostra a sublimidade e virtuosidade da mulher há séculos, literalmente. A Bíblia mostra como Jesus resgata, afaga, ouve, aconselha, ensina e leva a mulher ao seu máximo potencial, isso desde a criação, e muito além do que qualquer coletivo da atualidade conseguiria. E como vemos isso?

Primeiro, de forma direta, a Bíblia mostra o caráter feminino da religião. Em Jesus temos o cabeça, o amor por excelência, a proteção, o alimento, o cuidado. Mas a outra parte é “A” Igreja, chamada não por acaso de A Noiva. E a Noiva é cuidada, adornada, é esperada para as bodas. A Igreja é moldada para ser a exata expressão do amor, da fidelidade, do prazer, das grandes aventuras que existem no matrimônio ideal, e a Bíblia demonstra isso de capa a capa.

Diferentemente do que argumentam sociólogos e outros sobre o patriarcalismo dos tempos antigos, que, segundo muitos deve ser destruído e substituído por uma autonomia total humana, a Bíblia sempre expõe e ordena o Complementarismo. Homem e mulher nunca se sobrepõem, nunca se humilham, se escravizam, se machucam. Diferentemente, se complementam em suas diferenças físicas, psíquicas, emocionais e funcionais. Jesus é o noivo, com sua parte na relação de amor com sua Noiva, a Igreja. Esse é o paradigma para as relações entre homem e mulher, o alvo que deve-se mirar e trabalhar para conquistar, a fim de se chegar a relações sadias e sublimes.

É claro que vivemos numa humanidade caída, afetada e rachada pelo pecado, pelos anseios egoístas que maculam as relações. Porém, é mister enxergar que é possível resgate, é possível ser mulher cheia de viço, se beleza, de trabalho, de sucesso e de boa família. Nesse sentido, minha irmã e amiga, convido você a buscar uma leitura desse mundo pelas lentes da Bíblia. Antes de disputas tortas, levantes ideológicos sem fundamento, gritos e infelicidades (consequência óbvia a médio/longo prazo), observe como Jesus nos educa, e seu exemplo de amor.

Estar debaixo de uma missão é a resposta mais prazerosa ao verdadeiro amor. Quando esse amor é o amor perfeito, o de Jesus, tudo ganha nova dimensão, nova motivação, novo ânimo, novo prazer. Até mesmo nas duras realidades que presenciamos. Invista em conhecer Jesus, sua Palavra, seus atos de amor. O dia da mulher se transformará em anos e vida de MULHER.

Com orações, desejo que Jesus te abençoe e te cuide! Felicidades!

Recommended Posts